!
Nosso site está em sua versão beta, em poucos dias poderá usufruir dele 100% completo! Fique Ligado!!!

15. DÉCIMO QUINTO CAPÍTULO

REIS DA ARENA


SOBRE O CAPÍTULO

Emocionante! Edson descobre que é George quem estava por trás de seu amor virtual.

VISUALIZAR PDF

MEGAPRO                                                                2018

 

 

REIS DA ARENA

 

CAPÍTULO 15

WEB NOVELA DE: Lucas Oliveira

ESCRITA POR: Lucas Oliveira

 

 

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO:

 

HILDA
EMILIS
HORÁCIO
BARTOLO
DARCY
LETÍCIA
ZANDER
LALÁ
PIETRO
IGOR
GEORGE
EDSON
ALANA
RAFAELA
MARIELA
DJAVAN
ULISSES
ZETINHA

Participações:

TETÊ RAMEIRA
DIRETOR

 

 

CENA 01. CASA DE GEORGE. FACHADA. EXT. DIA.

Continuação imediata do capítulo anterior. Edson aperta a campainha disparadamente. George e Alana veem de dentro.

GEORGE: (Assustado) Edson!

EDSON: (Descontrolado) Desgraçado!

GEORGE: Como assim? O que foi, cara?

ALANA: Ai meu Deus! Ele deve ter ouvido tudo, George!

EDSON: (Chorando) Como é que você pôde fazer isso comigo, seu filho da puta?! Você não vale nada! É um verme! (Grita) VEEEERME!

GEORGE: Calma, Edson! Não fica assim e não fica nervoso. Eu vou te explicar tudo! Cê vai entender!

EDSON: Abre esse portão, abre! Abre a porra desse portão se você tem coragem! Fala aqui, frente a frente. Mostra quem tu é uma vez na vida e se assume. FALA!

Edson completamente transtornado. George trêmulo. Alana amedrontada.

GEORGE: Não é dessa forma que você tá pensando. Minha intenção nunca foi te fazer mal, Edson.

EDSON: E que forma é essa de fazer o bem? Me iludindo, brincando com meus sentimentos, hein? Seu filho da puta! (Grita/Sacode o portão) ABREEE! Abre esse portão de uma vez, vai! Em encara!

GEORGE: (Começa a chorar) Não fica assim, Edson. Por favor, se acalma!

ALANA: George, ele vai ter um troço, meu Deus!

EDSON: Olha só, que cachorrada! A voz que eu tava ouvindo é dessa daí. (Bota a mão na cabeça) Meu Deus! Foi tudo mentira, tudo ilusão! (Começa a se bater) Como eu fui burro. Burro! Também como eu pude acreditar que uma menina perfeita como aquela iria se interessar por mim?! Como?!

GEORGE: Nem tudo foi mentira, Edson. O que eu sinto por você, é verdade. Todo meu sentimento é verdadeiro!

EDSON: Verdade? Eu não me apaixonei por você. Eu me apaixonei pela Maria e ela não é você. Nunca vai ser! A Maria que você inventou tinha caráter, coisa que você não tem! (Urra) E as fotos? Era tudo da internet. A desculpa que tava viajando pra não me encontrar?! O negar quando eu pedia pra mandar áudio?! Como eu fui idiota! Até a ligação, cê foi capaz de colocar essa daí pra me tapear, me fazer de bobo. Brincando comigo esse tempo todo.

GEORGE: Edson...

EDSON: Como é que você teve estômago pra isso esse tempo todo? Meu Deus! Eu me abrir, eu me doei pra você. Eu fui com você tudo que eu nunca fui com ninguém. E era uma total mentira! As conversas até de madrugada, os conselhos, os desabafos... (Respira fundo) Eu me desarmei pra você. Eu tirei todo aquele travamento que tinha e consegui deixar me envolver pelo amor, um sentimento que eu tinha medo.

GEORGE: Eu também me/

EDSON: (CORTA/Grita) CALA A BOCA!!! (T) Tudo que eu já passei nessa vida, as frustações, as decepções, o que eu fiz no meu o externo pra tentar suprir o que faltava no meu interior, os preconceitos, os olhares que eu recebia das pessoas por eu ser como eu sou e os medos, os receios, as carências... Tudo! Eu contei tudo pra ela. E ela me entendia, ela me acolhia, ela me fazia sentir melhor, ela me fazia pensar que eu não sou o fracassado que eu sempre tive certeza em ser. Só que ela não existe! (Visivelmente atordoado) Meu Deus! Como isso é possível? Como você pôde me enganar dessa maneira?

GEORGE: Edson, me escuta: desde que você chegou aqui pra rua, eu comecei a prestar atenção em você. Você ser diferente nunca me fez recuar, pelo contrário, eu sentia vontade de me aproximar, de chegar perto, mas não sabia como. Eu fiquei com medo! Também sou tímido, também tenho minhas fraquezas, minhas fragilidades. Eu sou humano! (T) Eu fiz um fake e te adicionei porque eu só queria saber se você era gay ou não. Eu fiz a Maria despretensiosamente. Em nenhum momento foi com o intuito de te ferir. Só que o papo foi rolando, você foi se soltando, a gente foi se envolvendo, e cada vez que eu conhecia mais de você, ficava mais apaixonado.

EDSON: E continuou me enganando. Você me via passar por aqui, falava comigo e tudo, me cumprimentava, cara! E de noite, fingia ser outra pessoa, se divertia com o babaca aqui. Que cara de pau, meu Deus!

GEORGE: Eu queria parar. Mas toda vez que eu pensava em recuar, eu ficava com medo de te deixar pior. Porque eu sei que eu te fazia ficar melhor. E eu também não ia conseguir, porque conversar contigo, falar contigo, era bom pra mim também. A gente se entendia, falava a mesma língua e eu não queria acabar com aquilo. Eu sei que eu tava me embolando, me afundando cada vez mais. Foi virando uma bola de neve e eu sabia onde isso ia parar.

EDSON: (Encarando-o com asco) Você é um mostro!

GEORGE: (Choro aumenta) Não diz isso! Sua Maria sou eu! O sentimento dela, tá aqui dentro de mim. E se você quiser, se você aceitar, eu vou tá pronto pra te fazer feliz!

EDSON: (Balança a cabeça negativamente) Você tá louco!!!

GEORGE: Eu sei que pode parecer difícil agora, mas tenta entender. Por favor, se acalma e pensa!

EDSON: Eu não sou gay, cara! (Grita) EU NÃO SOU GAY! Nunca que eu ia ter nada com você! Ainda mais com alguém que me enganou, que me fez de palhaço esse tempo todo.

GEORGE: Antes de ser gay, eu sou humano! Pra amar não precisa ter esses rótulos, pra amar só precisa ter certeza do que se sente e do que o outro sente também.

EDSON: O amor é verdade! Amor nenhum vive na mentira, na enganação, cara! Foi tudo mentira! Eu não sou burro. Eu penso o suficiente pra entender isso. (Choro contido) Você me usou! E eu agora me odeio por ter me deixado levar, por ter caído nessa. E também odeio, com todas as minhas forças, você! O-DE-IO!

Edson sai correndo, visivelmente transtornado.

SONOPLASTIA: INSTRUMENTAL – Triste.

GEORGE: Volta aqui, Edson! Não vai, pelo amor de Deus! (Grita) ME ESCUTAAA! (Cai no chão/ Aos pratos) Me escuta, por favor!

Alana se abaixa e abraça George.

ALANA: Oh meu amigo, não fica assim. Não fica!

GEORGE: E agora, Alana? E agora?

Em George, chorando descontroladamente. CORTA PARA/

 

CENA 02. TOURO BRAVO. EXT. DIA.

SONOPLASTIA CONTINUA. Planos gerais. CORTA PARA/

 

CENA 03. MANSÃO SANTANA. QUARTO DE HILDA. INT. DIA.

SONOPLASTIA OFF. Hilda e Zetinha sentadas na cama.

ZETINHA: Eu ainda tô boba com essa história. O Bartolo com uma amante que tá grávida dele...

HILDA: Pois é. Não é nenhuma surpresa. Os homens traem desde que o mundo é mundo, Zetinha.

ZETINHA: Também tendo uma mulher como aquela lá...

HILDA: Seja ela como for, imagino o que ela deve tá sentindo. A Emilis é insuportável, mas parecia gostar muito do Bartolo.

ZETINHA: Isso é verdade!

HILDA: Fala: O que você acha melhor para eu fazer, Zetinha?

ZETINHA: Como assim?

HILDA: Pra sair desse tédio, pra aliviar essa monotonia. Eu preciso ter uma ideia de alguma coisa que movimente, que agite, que traga vida e cor a essa cidade.

ZETINHA: Eu não sei, Hilda. Eu sou péssima pra ideias! E também eu já disse que, por enquanto, é melhor não incomodar seu pai sobre isso. Além de problemas na prefeitura, aconteceu isso aí com o Bartolo que é o melhor amigo dele... Enfim, ele tá de cabeça quente!

HILDA: Eu sei. Mas ter ideias não custa nada. (T) Me deixa, Zetinha. Me deixa!

As duas riem. CORTA PARA/

 

CENA 04. HOSPITAL. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Bartolo, Pietro e Horácio sentados. O Médico vem de dentro.

BARTOLO: (Levantando-se) E então, Doutor, como tá a minha Darcy?

MÉDICO: Ela tá bem, mas infelizmente...

BARTOLO: (Amedrontado) Infelizmente...?

MÉDICO: Infelizmente não conseguimos salvar o bebê.

BARTOLO: (Abalado) Não! Não diz isso, Doutor!

MÉDICO: Eu sinto muito!

Pietro e Horácio se levantam e abraçam Bartolo.

BARTOLO: (Chorando) Eu quero ver minha Darcy. Eu preciso, Doutor! Deixa, por favor!

No Médico, cabisbaixo. CORTA RÁPIDO PARA/

 

CENA 05. HOSPITAL. QUARTO 102. INT. DIA.

Darcy deitada na cama. Bartolo ao lado.

BARTOLO: (Beijando-a na testa) Eu tô aqui, meu amor. Eu tô aqui!

DARCY: (Chorando) Nosso filho, Bartolo. Eu perdi nosso filho!

BARTOLO: Eu sei. Mas você não teve culpa. Ainda vamos fazer um filho só nosso.

DARCY: Eu não tenho mais tempo. Na minha idade, gravidez não é mais recomendada. Pelo visto meu destino não é ser mãe.

BARTOLO: Darcy, meu amor, eu sei que não é o melhor momento pra você me dizer isso, mas você precisa me responder: Foi a Emilis que te empurrou daquela escada? Ela tem alguma coisa a ver com isso? Foi ela que fez isso com você?

Em Darcy, visivelmente abalada. CORTA PARA/

CENA 06. CONSULTÓRIO DE MARIELA. SALA DE ATENDIMENTO. INT. DIA.

Mariela e Ulisses frente a frente.

ULISSES: Eu sei das suas questões, eu sei de tudo. Mas eu não tô aguentando, Mari. Ou eu falo ou eu enlouqueço!

MARIELA: Tudo bem, Ulisses. Eu não tô nos meus melhores dias, mas não vou deixar de te ouvir. Acho que estou um pouco melhor pra isso hoje.

ULISSES: Obrigado!

MARIELA: Senta aí.

Ulisses se senta. Mariela senta-se a frente.

MARIELA: Diz: O que tanto te aflige, Ulisses?

ULISSES: Um sentimento.

MARIELA: Sentimento?

ULISSES: É. Um sentimento que eu não consigo conter, que eu não consigo controlar, que não me faz bem e que eu sei que não é certo sentir. (T) Eu queria parar, eu queria interromper esse sentimento, mas eu não sei como. Só que eu preciso!

MARIELA: E porque você só consegue ver os lados ruins desse sentimento?

ULISSES: Porque eu sei que vai me fazer sofrer e vai fazer uma pessoa, minha amiga que eu tanto gosto, sofrer também.

MARIELA; Você pode ser mais claro? Se abra, Ulisses! Você sabe que pode e que tudo que a gente conversar aqui, vai morrer aqui. Eu te prometo, eu juro!

ULISSES: Eu sei, Mari. Eu sei que sim. Não precisa prometer!

MARIELA: Não vou trair mais a confiança de ninguém!

ULISSES: Como assim?

MARIELA: Deixa pra lá! (Respira fundo) E então, pode falar!

ULISSES: Eu tô completamente apaixonado pelo Pietro, Mariela. Completamente apaixonado por ele!

Em Mariela, visivelmente surpresa. CORTA PARA/

 

CENA 07. HOSPITAL. RECEPÇÃO. INT. DIA.

Pietro sentado falando ao celular.

PIETRO: Exatamente, Lalá!... Deu pena do sofrimento do meu pai. Quando o médico chegou e disse que a Darcy tinha perdido o filho... O bom é que o Horácio também apareceu aqui pra dar uma força... Tá bom! Eu vou passar lá na loja pra falar com a Letícia. Depois eu te explico tudo melhor aí você vai entender, amor!... Tá certo. Não vou atrapalhar sua aula aí na faculdade, não. Beijos, amor!

Pietro desliga o celular, guarda no bolso e sai do local. CORTA PARA/

 

CENA 08. HOSPITAL. QUARTO 102. INT. DIA.

Darcy deitada na cama. Bartolo ao lado.

BARTOLO: Fala, Darcy! A Emilis teve alguma coisa a ver com a sua queda?

DARCY: Não! Eu lembro que ela me chamou pro quarto. Ela tava com o sapato dela em mãos e o derrubou. Aí eu tropecei e caí. Disso eu lembro bem!

BARTOLO: Mas será que ela não derrubou o sapato de propósito?

DARCY: Isso não tem como saber, Bartolo. Mas empurrar, ela não me empurrou, não. Insinuou que não queria que eu tivesse esse filho com você, expressou ódio, desprezo. Mas não tocou a mão em mim.

BARTOLO: Você era pra ter me ligado, falado comigo assim que a Emilis apareceu lá no hotel te procurando. Ela tá completamente descontrolada e, quando fica assim, é capaz de tudo!

DARCY: É melhor deixar isso pra lá. Vamos seguir nossas vidas de agora em diante sem a Emilis, sem medo, sem esconder nada. Sendo dessa forma, pra mim tá ótimo! É tudo que eu quero, meu amor!

BARTOLO: (Alisando-a) Oh meu amor, a gente vai sim! Você tem razão. Logo você vai receber alta. E ainda hoje, eu vou lá em casa pegar minhas roupas e depois vou pra um hotel. Vou pesquisar umas casas aí e o Horácio e o Pietro vão me ajudar. Vai ser um cantinho só nosso, Darcy! Uma casa só pra gente morar, viver bem, em paz.

DARCY: (Começa a chorar) É tudo que eu mais quero, meu amor. (Alisa a barriga) E, do meu filho, eu nunca vou esquecer. Nunca!

BARTOLO: Nem você e nem eu!

Bartolo abraça Darcy. Clima melancólico. CORTA PARA/

 

CENA 09. CONSULTÓRIO DE MARIELA. SALA DE ATENDIMENTO. INT. DIA.

Ulisses sentado. Mariela à frente.

MARIELA: Cê tá apaixonado pelo/

ULISSES: (POR CIMA) Pelo namorado da minha melhor amiga! Imagine só como eu tô me sentindo. E o pior que tudo surgiu de dentro de mim. Ele nunca me deu bola, chances de algo a mais, esperanças, nada! Ele é hétero e ama a Lalá. Mas esse sentimento foi nascendo, foi crescendo dentro de mim e eu não consegui controlar. Acho que pelo jeito dele, a maneira dele ser... Eu criei um sonho, fui me apegando, fui me apaixonando, e quando eu me dei por mim eu já estava completamente envolvido. Só que agora eu tô me sentindo mal porque eu me sinto como se tivesse traindo a confiança da Lalá, que me abrigou, que me acolheu, que sempre foi tão amiga e tão boa comigo...

MARIELA: Calma, Ulisses! Não se condene!

ULISSES: Como não?! Ninguém alimentou isso em mim. Começou a se formar dentro de mim sozinho. Eu não conseguir evitar. Isso tá me fazendo mal, me sufocando.

MARIELA: Então porque cê não fala?

ULISSES: Não! Mariela, você conhece a Lalá. Isso pode magoá-la e eu não quero isso. O Pietro também pode reagir mal. Não! Eu tenho medo!

MARIELA: Por eu conhecer bem o Pietro é que eu acho que não haverá problema algum em você contar, em se abrir. Pelo o menos essa agonia que tá dentro de você, todo esse sufoco, vai diminuir. Você vai poder respirar aliviado por ter botado tudo pra fora.

ULISSES: Realmente eu já não tô aguentando mais segurar, carregar isso. Eu tô quase me desmanchando.

MARIELA: É o conselho que eu te dou.

ULISSES: E se eu perder da amizade da Lalá?

MARIELA: A verdade tem consequências, mas a melhor consequência vai ser o alívio do teu ser. As outras coisas se resolvem com o tempo. Tudo no começo é difícil. Depois, quem sabe, ela compreenderá. Talvez até mesmo no momento. A gente não pode prevê. Se desabafe sem medo e deixe que as coisas aconteçam como tem que acontecer.

ULISSES: Você tem razão, Mariela! (Levantando-se) Eu vou criar coragem e vou falar! Vou falar!

Mariela se levanta e abraça Ulisses.  CORTA PARA/

 

CENA 10. CASA DE BARTOLO. SALA. INT. DIA.

Emilis abre a porta. Bartolo adentra o local.

BARTOLO: Eu vim buscar minha mala!

EMILIS: (Fecha a porta) Ótimo! Eu, como sou muito boa, já deixei pronta aí pra você. Pode pegar e se mandar!

BARTOLO: Exatamente isso mesmo que eu vou fazer!

EMILIS: E a sua amante, tá bem?

BARTOLO: Pra sua tristeza, ela tá bem, sim.

EMILIS: E o feto?

BARTOLO: O médico fez de tudo, mas infelizmente, ela perdeu.

Emilis vira o rosto.

BARTOLO: Não precisa esconder a cara de felicidade, não. Eu sei que é isso que você está sentindo. E cada vez mais eu sinto pena de você, Emilis!

EMILIS: Você veio pra pegar sua mala. Já pegou?

BARTOLO: Você não gosta de ouvir a verdade, né?! Típico de gente como você. Sorte sua que a Darcy confirmou a sua versão e disse que você não a empurrou, senão, cê tava acabada!

EMILIS: Eu não tô pronta pra ficar ouvindo seus desaforos. Pense o que quiser, Bartolo!

BARTOLO: Você é desprezível!

EMILIS: (Sobe o tom) Saia daqui!

BARTOLO: Você é desumana, Emilis!

EMILIS: Vai embora dessa casa agora!

BARTOLO: Você é digna de pena!

EMILIS: (Grita) CHEGA!!! Ou você sai logo daqui ou eu vou chamar a polícia, Bartolo!

BARTOLO: (Firme) Chama, chama a polícia! Eu não tenho medo de polícia, não devo nada a polícia. (T) Mas fique tranquila que eu já estou indo, Emilis. Quem não quer ficar mais olhando pra essa tua cara sou eu! E do fundo do meu coração, espero que um dia você consiga ser feliz!

Emilis abre a porta, imponente.

EMILIS: Tchau, Bartolo! Adeus!

Bartolo e Emilis se encaram rapidamente. Ele sai. Emilis fecha a porta e começa a limpar os olhos. Em Emilis, visivelmente segurando o choro. CORTA PARA/

 

CENA 11. FILIAL EQUIPE A EQUIPE. SALA DE LETÍCIA. INT. DIA.

Letícia à mesa. Pietro sentado à frente.

LETÍCIA: Eu tô aqui para qualquer coisa que você ou o Bartolo precisar, Pietro. O Bartolo pode ter errado, mas nesse momento difícil, quem sou eu pra julgá-lo?!

PIETRO: Muito obrigado, Letícia! Por isso mesmo que eu fiz questão de vim aqui te explicar tudo pessoalmente. Não só por causa da relação de amizade que você tem com meu pai, mas também pela relação profissional que com isso tudo, vai ficar abalada!

LETÍCIA: Quanto a isso, não se preocupe! O Bartolo tem que se preocupar primeiro com a resolução de todos os problemas. Eu e você nos viramos com a loja, né não?

PIETRO: Claro que sim! Meu pai ama isso aqui e como ele, eu aprendi a amar também.

LETÍCIA: A gente vê esse amor de vocês estampado no olho.

Letícia aperta as mãos de Pietro. Eles sorriem. CORTA PARA/

 

CENA 12. TOURO BRAVO. EXT. DIA.

SONOPLASTIA: Você me Roubou – Rouge.

PANORAMA da pequena cidade. ANOITECE. CORTA PARA/

 

CENA 13. QUARTO DE HOTEL. INT. NOITE.

SONOPLASTIA OFF. Bartolo deitado na cama, fala ao celular.

BARTOLO: Não se preocupe, meu filho. Eu tô bem!

PIETRO: (OFF) Cê tá onde, pai? Se quiser vim passar a noite aqui, venha!

BARTOLO: Não precisa, Pietro! Eu tô aqui no hotel. Vou descansar um pouco e amanhã cedo eu vou lá ficar com a Darcy. Acho que amanhã mesmo ela deve receber alta.

PIETRO: (OFF) Tomara!

BARTOLO: Eu só quero, meu filho, que você vá procurando casas a venda aqui mesmo em Touro Bravo. Pretendo morar com a Darcy e não vou ficar em um hotel. Pelo o menos a casa eu vou deixar pra sua mãe. Não quero mais confusão!

PIETRO: (OFF) Eu vou pesquisar, sim. Pode deixar!

BARTOLO: Já falei com o Horácio, ele disse que vai me ajudar também.

PIETRO: (OFF) E eu expliquei tudo pra Letícia.

BARTOLO: É. Ela me mandou uma mensagem de apoio. A Letícia é nota dez!

PIETRO: (OFF) Aham.

BARTOLO: Bom, meu filho, eu vou desligar! Vou tomar um banho e cama! Abraços e até mais!

PIETRO: (OFF) Tá bom, pai. Boa noite!

BARTOLO: Boa noite!

Bartolo desliga o celular e joga sobre a cama. CORTA PARA/

 

CENA 14. MANSÃO SANTANA. SALA. INT. NOITE.

Hilda e Zetinha sentadas no sofá. Horácio adentra o local. Zetinha se levanta de imediato.

HILDA: Pode sentar, Zetinha! Não precisa se levantar só porque meu pai chegou, não.

ZETINHA: É que neste instante eu vou dormir!

HORÁCIO: Boa noite, gente!

HILDA: Boa noite, pai!

ZETINHA: E aí, Seu Horácio, como é que foi lá?

HORÁCIO: Infelizmente aconteceu o pior!

ZETINHA: (Leva a mão a boca) Ah, não me diga!

HILDA: A tal Darcy perdeu o filho ou ela morreu?

HORÁCIO: Tá tudo bem com ela. Mas infelizmente os médicos não conseguiram salvar a criança e ela acabou perdendo.

HILDA: Nossa!

HORÁCIO: O Horácio tá arrasado!

ZETINHA: Eu imagino. Também não é pra menos, né?!

HILDA: Que coisa mais triste, meu Deus!

HORÁCIO: E aí eu fiquei lá até o Bartolo ir embora, depois dei uma rápida passada na prefeitura.

ZETINHA: Quer comer alguma coisa, Seu Horácio?

HORÁCIO: Obrigado, Zetinha! Eu já comi lá mesmo no hospital. Toda hora eu ia comer, tomar um cafezinho ou ir no banheiro. Bom, vou tomar um banho e cair na cama! Boa noite pra vocês!

HILDA E ZETINHA: (Juntas) Boa noite!

Horácio sai. Zetinha se entreolham. Em Hilda, balançando a cabeça negativamente. CORTA PARA/

 

CENA 15. CASA DE PIETRO. COZINHA. INT. NOITE. 

Pietro, Lalá e Ulisses à mesa, jantam.

LALÁ: Seu pai com uma amante e ela ainda grávida dele... Realmente, isso eu não imaginava. Até agora ainda tô tentando entender.

PIETRO: Nem eu imaginava! Meu pai nunca me contou nada, nunca falou nada comigo. Eu cheguei ao hospital sem saber direito o que tava acontecendo.

LALÁ: Ele tava como?

PIETRO: Ah, tava sentado lá na recepção totalmente aflito.  Aí eu perguntei o que aconteceu e foi aí que ele me contou. Depois o Horácio chegou também, deu forças e não saiu de lá até o médico vim dá a notícia. Nessa hora, meu pai desabou!

LALÁ: Eu imagino! E você não vai lá conversar sua mãe, consolar ela? A Emilis deve tá precisando de você, amor.

PIETRO: Eu não! A minha mãe é fria, dura, seca. Você sabe disso, Lalá! Eu indo lá não vai adiantar nada. Ela se fecha pra qualquer tipo de demonstração de carinho. Minha mãe é um gelo! A Mariela é amiga dela e deve tá dando forças. Minha mãe é do tipo que fica muito bem sozinha.

LALÁ: E o seu pai vai ficar aonde?

PIETRO: No hotel da cidade! Foi o que ele me disse quando me ligou. Mas depois eu vou lá fazer uma visita a ele.

LALÁ: Amanhã quando eu sair da faculdade eu passo no hospital pra fazer uma visita a tal da Darcy e dar uma força ao seu pai.

PIETRO: Vai mesmo, amor! O meu pai precisa mais de apoio do que minha mãe. Pelo o menos a Dona Emilis não assume que precisa! Mas a Darcy deve ter alta amanhã mesmo.

LALÁ: E eles vão ficar juntos em um quarto de hotel? Seu pai tem direitos!

PIETRO: É claro que tem! Mas ele não quer criar mais problemas com minha mãe. De qualquer forma, ele vai comprar logo uma nova casa pra ele morar com a Darcy. Ele a ama muito!

LALÁ: (P/Ulisses) E você, não diz nada?

ULISSES: Ah, é que eu tava aqui meio pensativo. Na verdade deve ser um pouco de sono também. (Riso) Eu vou pro meu quarto!

LALÁ: Já vai dormir, Ulisses?

ULISSES: Vou tentar! (Levantando-se) Boa noite pra vocês!

LALÁ E PIETRO: (Juntos) Boa noite!

ULISSES: Licença!

Ulisses sai. Lalá e Pietro se entreolham. CORTA RÁPIDO PARA/

 

CENA 16. CASA DE PIETRO. QUARTO DE HÓSPEDE. INT. NOIE.

SONOPLASTIA: Um dia sem você – Rouge.

Ulisses deitado na cama, visivelmente pensativo, chora. CORTA PARA/

 

CENA 17. CASA DE EMILIS. SALA DE JANTAR. INT. NOITE.

SONOPLASTIA OFF. Atenção: Casa de Bartolo passa a ser chamada de Casa de Emilis. Emilis à mesa. A empregada vem de dentro.

EMPREGADA: Deseja mais alguma coisa, Dona Emilis?

EMILIS: Apenas jantar sossegada!

EMPREGADA: (Abaixa a cabeça) Sim senhora!

EMILIS: Já pode ir pra sua casa. E amanhã cedo esteja aqui!

EMPREGADA: Tá certo. Obrigada!

EMILIS: Vá!

EMPREGADA: Com licença!

SONOPLASTIA: Nada vai mudar isso – Cássia Eller.

A empregada sai. Emilis, visivelmente tristonha, continua jantando. CORTA PARA/

 

CENA 18. CASA DE PIETRO. QUARTO DO CASAL. INT. NOITE.

SONOPLASTIA OFF. Pietro deitado na cama. Lalá vestindo-se.

PIETRO: Acho que depois de um dia tão cheio, mereço uma massagem, né, amor?

LALÁ: (Deita ao lado) Claro que merece! Não só massagem, como muitos beijos também.

PIETRO; (Puxando-a) Então vem cá, vem! Minha princesa linda!

SONOPLASTIA: Um Anjo veio me Falar – Rouge.

LALÁ: Meu príncipe brucutu!

PIETRO: Sou é?

LALÁ: É. Meu brucutu garanhão!

PIETRO: (Leve sorriso) Hummm.

Pietro e Lalá se beijam apaixonadamente. Eles começam a se despirem. CORTA PARA/

 

CENA 19. CASA DE LETÍCIA. SALA. INT. NOITE.

SONOPLASTIA OFF. Zander sentado no sofá. Letícia em pé.

LETÍCIA: E aí, foi isso!

ZANDER: Caraca! Pelo o menos essa tal de Darcy não morreu. A desgraça ia ser muito pior!

LETÍCIA: É, mas o Bartolo tá muito arrasado. Enfim, tomara que isso tudo seja logo superado. Por mais que seja apenas um feto, eu imagino a dor dessa mãe. Por mais que ele não tivesse nascido, ela já o amava, ela o sentia dentro dela. Eu lembro que antes mesmo do meu filho, do meu Gustavo nascer, eu já o amava mais que tudo nessa vida. E perde-lo depois de grande foi a pior coisa que me aconteceu.

ZANDER: Não vamos lembrar disso.  

LETÍCIA: (Respira fundo) Tem razão! Tenho que ser um braço forte pro Bartolo, porque é assim que os amigos devem agir nesses momentos.

ZANDER: Pelo o menos você ainda tem seu sobrinho.

LETÍCIA: É. Ele manda mensagem pra mim de vez em quando. O George é um amor e muito responsável. Só que ele é meio tímido, meio travado. Às vezes eu fico preocupada.

ZANDER: Ele não tem nenhuma amizade?

LETÍCIA: Tem uma menina lá. Isso que me deixa mais tranquila.

ZANDER: Você bem que podia sentar aqui, pegar uma bebida pra gente, né?

LETÍCIA: Quê isso, Zander?! Você não tinha dito que nunca mais colocaria uma gota de álcool na boca? Não falou pro Gaspar que essa etapa estava superada e que nunca mais teria uma recaída?

ZANDER: Ah, Letícia. Relaxa! Seria apenas um gole. Ninguém se embebeda com um gole, né?

LETÍCIA: Pra você, que é um ex-alcoólatra, um gole é sinônimo de oceano inteiro! Nem pensar, Zander!

ZANDER: Tudo bem, Letícia. Tudo bem!

LETÍCIA: Falando nisso; eu mandei a empregada ir amanhã até a casa do Gaspar. É bom que ela faz uma faxina, limpa tudo. A casa de vocês dois, apesar de não ter mais ninguém morando, não pode ficar abandonada, né?!

ZANDER: Claro! Afinal de contas não foi pra isso que meu irmão se preocupou tanto pra pagar as dívidas.

LETÍCIA: Pois é. E o Gaspar tem falado contigo?

ZANDER: Sempre ele me manda mensagens e a gente se fala um pouco. Mas parece que a vida do Gaspar por lá tá muito corrida. Ele mal para.

LETÍCIA: Assim que é bom! Isso quer dizer que ele é um sucesso!

SONOPLASTIA: De Perto – Paralamas do Sucesso.

ZANDER: Obrigado, viu, Letícia?

LETÍCIA; Pelo que?

ZANDER: Por tudo que você tem feito por mim. Amiga melhor, eu não encontraria em lugar nenhum!

LETÍCIA: Magina!

Zander sorri pra Letícia, que retribui. Ela sai. Em Zander, sorridente. CORTA PARA/

 

CENA 20. RIO DE JANEIRO. EXT. NOITE.

SONOPLASTIA TROCA PARA: Sem Parar – Gabriel, o Pensador.

Planos gerais de diferentes pontos turísticos da cidade. CORTA PARA/

 

CENA 21. ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO. INT. NOITE.

SONOPLASTIA CONTINUA. Cenário de quarto. Igor deitado na cama, somente de cuecas. Rafaela e Tetê Rameira ao seu lado, seminuas, com uvas em mãos. Equipe em frente.

DIRETOR: Isso! Agora vocês duas podem começar a colocar as uvas na boca do Igor, bem sensual. E depois... Bom, vocês já sabem o que é pra fazerem, né? (Riso).

Rafaela e Tetê começam a deslizar as mãos sobre o corpo de Igor até chegarem à cueca. Rafaela abaixa e começa a puxar a cueca com a boca. CORTA PARA/

 

CENA 22. APARTAMENTO DE DJAVAN. QUARTO. INT. NOITE.

SONOPLASTIA CONTINUA. Djavan deitado na cama, visivelmente pensativo. CORTA PARA/

 

CENA 23. CASA DE GEORGE. SALA. INT. NOITE.

SONOPLASTIA OFF. George sentado no sofá com os olhos visivelmente inchados. Ouve-se a campainha.

ALANA: (OFF) George, sou eu, Alana!

GEORGE: (GRITA) O PORTÃO TÁ ENCOSTADO. ENTRA AÍ!

Alana adentra o local.

ALANA: E aí, meu amigo, como é que você tá? Vim pra passar essa noite aqui, contigo.

GEORGE: Obrigado! Mas como é que você acha que eu tô, Alana?! Tô totalmente despedaçado, sem chão!

ALANA: Você já viu no jornal, nos sites de notícias?

GEORGE: Vi o que?

ALANA: Ah meu Deus! Pelo visto ainda não viu.

GEORGE: (Levantando-se) O que eu não vi, Alana? Fala logo!

ALANA: George, calma! Você vai precisar ser forte.

GEORGE: (Apreensivo) Falando assim cê tá me deixando mais nervoso ainda. Fala logo, Alana!

ALANA: O Edson...

GEORGE: O que tem ele?

ALANA: O Edson se matou, George! Ele tá morto!

Clima tenso. Em George, em choque. CORTA PARA/

 

FIM DO CAPÍTULO

 

Créditos sobem ao som de: Pensando em Você – Paulinho Moska.

 

ATENÇÃO LEITORES

Esta postagem foi feita em arquivo PDF para preservar a formatação escolhida pelo autor da obra. A rede MEGAPRO adota esse comportamento visando que nossa equipe de autores possam se sintam à vontade sempre e desfrute da melhor experiência