Reis da Arena

CAPÍTULO 18

SOBRE O CAPÍTULO

George faz uma proposta a Alana. Emilis diz a Mariela que está mexida por Yuri. Letícia coloca Zander pra trabalhar em sua loja.

MEGAPRO                                                                     2018

 

 

REIS DA ARENA

 

CAPÍTULO 18

WEB NOVELA DE: Lucas Oliveira

ESCRITA POR: Lucas Oliveira

 

 

PERSONAGENS DESTE CAPÍTULO:

 

HILDA
EMILIS
HORÁCIO
BARTOLO
DARCY
LETÍCIA
ZANDER
LALÁ
PIETRO
IGOR
GEORGE
ALANA
YURI
RAFAELA
DJAVAN
VERIDIANA
MARIELA
ULISSES
ZETINHA

 

CENA 01. CASA DE GEORGE. QUARTO DE GEORGE. INT. NOITE. 

Continuação imediata do capítulo anterior. George deitado na cama. Alana em pé.

ALANA: Eu sei que eu posso tá sendo chata, Geo. Estando o tempo todo aqui na sua casa, falando toda hora as mesmas coisas... Mas se eu falo isso, é pro teu bem. É porque eu me preocupo com você, meu amigo. E eu tô te vendo de fora, por um ângulo diferente do seu. E é exatamente por isso que eu reafirmo: Ficar desse jeito não vai te fazer bem, George!

GEORGE: Eu não tenho mais animo pra nada, vontade de nada. Chega! Eu fui o culpado pela morte de um homem. E um homem que eu amei e ainda amo. Mas que só enganei, só não contei tudo antes justamente por medo de perdê-lo. E se eu senti medo, é porque eu o amava. Enfim, você sabe. Não vou conseguir esquecer isso nunca!

ALANA: Você tá escolhendo o pior caminho pra levar essa situação. Você tá vivo! Cê acha que se negando a viver vai fazer com que o Edson volte à vida? Ou então que isso supra a culpa que você sente? Não! O tempo vai cicatrizar sua ferida, meu amigo. Ela vai continuar lá, mas vai parar de sangrar. E não tem melhor maneira de esperar o tempo passar a não ser VIVENDO! 

GEORGE: Ah, Alana...

ALANA; VIVER! Vive, George! Você precisa VIVER! Cê tem que se reerguer, recomeçar, voltar a trabalhar, continuar caminhando. 

GEORGE: Não sei se tenho forças...

ALANA: (Senta na cama) Eu tô aqui, Geo! Eu vou te ajudar sempre! 

GEORGE: Não, Alana.

ALANA: Como você é teimoso!

GEORGE: Esses dias eu pensei muito, quase enlouqueci e cheguei a uma conclusão. 

ALANA; Que conclusão?

GEORGE: Depois de tudo que aconteceu, não tem como continuar morando aqui, de junto da casa que o Edson morou. 

ALANA: Cê vai sair daqui?

GEORGE: Vou falar com a tia Letícia e perguntar se eu posso ir morar com ela lá na tal Touro Bravo. 

ALANA: Quê? Aquilo lá é um fim de mundo, uma cidade de interior. Você mesmo disse que não se acostuma mais com isso, Geo.

GEORGE: A gente muda, Alana. Ainda mais depois do que eu passei. E eu não vou conseguir começar nada aqui nessa cidade, nesse lugar. Tudo vai me remeter ao Edson.

ALANA: E a loja, George? E eu? 

GEORGE: A sua nossa amizade e o carinho que eu sinto por você não vai acabar só porque eu vou pra lá. (T) Bom, e sobre a loja, se a minha tia concordar...

ALANA: Se a Letícia concordar...?

GEORGE: (Riso) Eu pensei em uma coisa. 

ALANA: (Apreensiva) Que coisa, Geo? Fala logo!

GEORGE: Já que você tá estudando administração e já tá quase se formando, eu pensei em sugerir você pra me substituir na Equipe a Equipe. 

ALANA: Como é que é?

GEORGE; Isso mesmo! Eu vou pra Touro Bravo e você toma conta da loja, se a tia Letícia aceitar. O que você acha?

Em Alana, visivelmente surpresa. CORTA PARA/ 

 

CENA 02. ESTÚDIO DE GRAVAÇÃO. INT. NOITE. 

Cenário de quarto. Igor e Rafaela vestindo-se. Tetê sai. O Diretor se aproxima. 

DIRETOR: Mais uma cena sensacional! 

IGOR: Valeu!

RAFAELA: E a gente continua dando bastante acesso no site?

DIRETOR: Claro! As cenas de vocês dois são as mais procuradas. Por isso mesmo que eu quis fazer algo diferente e chamei a Tetê novamente.

RAFAELA: Apesar de não concordar, eu entendi. 

DIRETOR: Vocês já são um sucesso! E se continuarem assim, cês vão ganhar dinheiro nunca visto antes. Pode apostar!

IGOR: (Riso) E é isso mesmo que a gente quer!

Em Igor, vibrando. CORTA PARA/ 

 

CENA 03. CASA DE GEORGE. QUARTO DE GEORGE. INT. NOITE. 

George e Alana sentados na cama.

GEORGE: Então, Alana, o que acha?

ALANA: (Levantando-se) Eu não sei se é uma boa ideia, Geo.

GEORGE: Porque não?

ALANA: Logo eu?

GEORGE: Mas é claro que é! Alana, você é esforçada, competente e tá quase se formando. Eu tô te dando a oportunidade dos sonhos, minha amiga. E tenho certeza que a tia Letícia já percebe a mesma coisa que eu em você. Cê não pode negar isso!

ALANA: Eu sei, mas é que... Eu tô insegura! Administrar uma loja como a Equipe a Equipe requer muita responsabilidade e eu não sei se eu dou conta sozinha.

GEORGE: Alana, a loja tem vários profissionais maravilhosos que vai tá com você, vão te ajudar e te apoiar no que você precisar. Serão todos muito bem instruídos por mim. 

ALANA: (Respira fundo) Cê tem razão! A gente não pode perder as oportunidades. E eu não vou perder!

GEORGE: Isso é um sim?

ALANA; Digamos que...

GEORGE: Que?

ALANA: Sim!

GEORGE: (Sorrindo) Não sabe como me deixa feliz, Alana!

ALANA: (Sentando-se na cama) Ah, mas sabendo que você vai embora, não tô feliz, não. 

GEORGE: Eu preciso me reconectar comigo mesmo pra eu pelo o menos tentar me reanimar, como você mesmo disse. Aqui eu não consigo nem isso, nem tentar. 

ALANA: Eu entendo, Geo. Mas é inevitável eu não sentir falta do meu melhor amigo. 

GEORGE: A gente vai tá sempre se falando! E quando der, eu venho ao Rio também. (T) Eu vou ligar pra minha tia perguntando se eu posso ir pra lá e aí indico o seu nome pra administração da loja. Tenho certeza que ela vai concordar! 

ALANA: Tomara!

Alana e George se abraçam fortemente. Clima harmônico. CORTA PARA/

 

CENA 04. APARTAMENTO DE VERIDIANA. SALA. INT. NOITE. 

Veridiana sentada no sofá, fala ao celular. 

VERIDIANA: Você tem certeza, Djavan?

DJAVAN: (OFF) A minha certeza chegou no momento que eu bati o olho nos olhos dela. Quando você vê ela, cê vai entender exatamente o que eu tô falando, Veridiana.

VERIDIANA: Eu não vou discutir. Você sempre teve muito talento pra escolher as suas novas revelações. Mas foi tudo tão rápido. Você mal chegou aí! 

DJAVAN: (OFF) Parece coisa predestinada. Era pra ser assim e foi! Assim que eu cheguei, no mesmo dia eu encontro ela. É linda, minha prima. Isso eu posso te garantir!

VERIDIANA: Tô vendo. Tô conseguindo ouvir até seus suspiros. (T) Não duvido, não!

DJAVAN: (OFF) Pode apostar no que eu vou te dizer, minha prima: A minha nova descoberta vai chegar pra ficar!

VERDIANA: Se você diz... Não vejo a hora de conferir de perto!

Veridiana desliga o celular. Em Veridiana, sorridente. CORTA PARA/

 

CENA 05. TOURO BRAVO. EXT. NOITE. 

SONOPLASTIA: Simplicidade – Pato Fu. 

Planos gerais. CORTA PARA/

 

CENA 06. MANSÃO SANTANA. QUARTO DE HÓSPEDE. INT. NOITE. 

SONOPLASTIA OFF. Djavan joga o celular sobre a cama. Ele pega um notebook sobre a cama sai do local. INTERCALA COM/

 

CENA 07. MANSÃO SANTANA. CORREDOR. INT. NOITE. 

Djavan sai do quarto e fecha a porta. Hilda sai do quarto dela. Os dois se esbarram.

DJAVAN: (Reação de susto) Nossa! Me desculpa, Hilda!

HILDA: Magina! A gente saiu ao mesmo tempo. 

DJAVAN: Tava indo beber uma água.

HILDA: (Apontando) A cozinha é por ali! Se quiser eu te levo até lá. 

DJAVAN: Não precisa! A sede já passou! (Riso) Já que a gente se esbarrou, será que eu podia conversar com você?

HILDA: Agora?

DJAVAN: É. Eu ia até ligar meu notebook pra conferir algumas coisas da agência, ficar por dentro. Posso aproveitar e te mostrar umas coisas também, te explicar melhor alguns pontos. E aí, pode ser?

HILDA: Tá. Mas no meu quarto, pode ser?

DJAVAN: Sem problemas!

Hilda abre a porta. Djavan entra seguido por ela, que fecha a porta. CORTA PARA/

 

CENA 08. QUARTO DE HOTEL. INT. NOITE. 

SONOPLASTIA: Um dia sem você – Rouge. 

Ulisses deitado na cama, enrolado com o cobertor, visivelmente tristonho e pensativo. CORTA PARA/

 

CENA 09. MANSÃO SANTANA. QUARTO DE HILDA. INT. NOITE. 

SONOPLASTIA OFF. Djavan e Hilda sentados na cama lado a lado. Djavan com o notebook ligado. 

DJAVAN: E como você pode notar aí, tem modelos de vários tipos e jeitos. Eu sempre me preocupei em criar conceitos novos, que fugisse do padrão. Então têm mulheres de diferentes tipos físicos, de diferentes etnias, alturas... Tudo! 

HILDA: Tô vendo! Isso é muito bacana da sua parte! 

DJAVAN: E minha prima sempre concordou. A Veridiana sempre quis mostrar que as criações dela poderiam ser usadas por diferentes tipos de corpos. Quanto mais representatividade, maior a procura! 

HILDA: Concordo plenamente!

DJAVAN: É pra esse mundo que eu quero te levar, Hilda. Eu vejo em você a representante ideal pra nova coleção da Veridiana. E aposto que em pouco tempo você pegará o jeito!

HILDA: (Levantando-se) Eu sei. É tudo muito bonito, muito encantador. Seu conceito, seu modo de trabalho é muito interessante. Mas esse negócio de passarela, desfilar... 

DJAVAN: Não é nenhum bicho de sete cabeças. 

HILDA: Eu sei. Mas sei lá, eu nunca me imaginei nisso. Não sei se conseguiria me acostumar com esse mundo.

DJAVAN: (Levantando-se) Tudo que é bom a gente se acostuma rápido! (Aproximando-se) E quando você vê de perto, cê vai se encantar, Hilda! Só peço uma chance. Mas essa chance não é pra mim, é pra você mesma! (T) E então?

SONOPLASTIA: Apenas mais uma de amor – Lulu Santos. 

HILDA: (Sorri) Você fala tão bonito! 

DJAVAN: Eu só falo a verdade, Hilda! Bonita é você! Aliás, linda! 

Djavan e Hilda se olham fixamente. Ela desvia o olhar, visivelmente envolvida.

HILDA: (Recompondo-se) É melhor você ir pro seu quarto! 

DJAVAN: Sim, claro! (Pega o notebook sobre a cama) Pensa bem, Hilda! Só não demora muito. Preciso de sua resposta o quanto antes! 

Hilda abre a porta.

HILDA: Eu vou decidir, sim. Prometo!

DJAVAN: (Sorri) Boa noite!

HILDA: Pra você também, Djavan!

Djavan sai. Hilda fecha a porta, sorridente. CORTA PARA/ 

 

CENA 10. TOURO BRAVO. EXT. NOITE. 

SONOPLASTIA CONTINUA. Planos gerais. AMANHECE. CORTA PARA/

 

CENA 11. CASA DE EMILIS. SALA. INT. DIA. 

SONOPLASTIA OFF. Emilis e Mariela sentadas no sofá. 

EMILIS: É lógico que você tá mais afastada de mim, Mariela. Disse que me ligava e não ligou. Disse que vinha aqui antes e não vem quase nunca.

MARIELA: Eu só tô mais quieta. Quero ficar sozinha uns tempos, comigo mesma, e rever alguns conceitos.

EMILIS: Sei...

MARIELA: E essa história de pedreiro?

EMILIS: Ah, é um Yuri! A parede do meu quarto tava molhando, mofando. Aí a empregada me indicou o Yuri dizendo que morava lá em Toureiro e que era um ótimo profissional. Aí eu contratei. E... (Suspira) É lindo, menina! Um ES-PE-TÁ-CU-LO! 

MARIELA: Nossa! É tão bonito assim?

EMILIS: Uma loucura! E você me conhece, Mariela. Sabe que não sou disso. Nunca fui de dar mole pra pé-rapado. Mas esse Yuri é diferente... E ele ainda não terminou o serviço. Vai voltar aqui. Tô até imaginando...

MARIELA: Você tá separada do Bartolo, já assinou os papéis, tudo direitinho. Não tem nenhum empecilho se quiser se envolver com outra pessoa.

EMILIS: Na verdade eu não queria nem ficar aqui. Cê sabe que eu detesto esse fim de mundo! Tô vivendo da pensão do Bartolo. Mas quero trabalhar com alguma coisa e me mandar pra bem longe. Pra levantar mais ainda minha pose por não precisar mais da grana dele pra nada!

MARIELA: Bom, isso eu apoio totalmente. 

EMILIS: Mas eu ainda não tô preparada. Cada coisa no seu tempo certo! Quanto a esse Yuri... Vamos ver o que o destino me reserva. Espero que só o melhor!

Emilis sorridente. Em Mariela, visivelmente desanimada. CORTA PARA/ 

 

CENA 12. MANSÃO SANTANA. SALA DE JANTAR. INT. DIA. 

Horácio, Hilda e Djavan à mesa. Zetinha servindo-os. 

HORÁCIO: Você já tem alguma decisão, minha filha? 

DJAVAN: Ela disse que ia pensar. Espero que tenha pensado mesmo. (P/Zetinha) Obrigado, Zetinha! 

ZETINHA: De nada!

Zetinha se posiciona ao canto. 

HILDA; Pensei sim. Já me decidi!

HORÁCIO: (Apreensivo) Bom, se já decidiu então fala, minha filha! 

HILDA: Eu decidi que vou aceitar sua proposta, Djavan! Vou com você pro Rio de Janeiro!

Reação feliz de todos.

DJAVAN: Que coisa boa, Hilda! Você não poderia ter tomado decisão melhor. 

HORÁCIO: Agora aumentou ainda meu apetite. Por favor, Zetinha, trás mais pão de queijo!

ZETINHA: É pra já! Tô tão feliz. Minha Hildinha merece!

HILDA: Olha que todos vocês tem participação nessa minha decisão, hein?! Escutei, pensei e percebi que realmente não se pode desperdiçar e jogar fora as oportunidades que a vida nos dá. 

DJAVAN: Saiba conclusão! Pode ter certeza que você não vai se arrepender, Hilda!

HORÁCIO: Agora é só comemorar! 

Djavan e Hilda trocam sorrisos. Zetinha sai do local. Em Horácio, visivelmente animado. CORTA PARA/ 

 

CENA 13. CASA DE PIETRO. QUARTO DO CASAL. INT. DIA. 

Pietro deitado na cama. Ele boceja. Lalá adentra o local com uma bandeja em mãos.

PIETRO: Nossa, amor! Não precisava!

LALÁ; (Coloca sobre a cama) Claro que sim! E trata de comer tudo, hein?

PIETRO: Tem muita coisa aqui.

LALÁ; O suficiente pra você começar o dia muito bem disposto. 

PIETRO: Só você mesmo, minha manteiguinha!

Lalá deita ao lado de Pietro e o beija rapidamente. 

PIETRO: Tá um pouco mais animada?

LALÁ: Tentando. Eu gostava e gosto muito do Ulisses. Ainda é difícil de acreditar. Será que eu me enganei esse tempo todo? Será que ele fingiu ser o que não era todo esse tempo?

PIETRO: (Com a boca cheia) Não sei.

LALÁ: (Riso) Besta!

PIETRO: E será que ele foi pro hotel mesmo?

LALÁ: Acho que sim! (T) Mas é sério, amor! Eu acho que se ele fosse mesmo meu amigo, ele não tinha feito o que fez. Se apaixonar logo por você?! (T) Quando a pessoa gosta de outro mesmo, não faz isso! Nada é motivo pra trair a confiança, decepcionar ela. Se o Ulisses gostasse de mim de verdade, ele não tinha agido dessa forma.

PIETRO: Isso é verdade! Lembro que quando a gente ainda conversava só pela internet, eu não contei que meu pai tinha condições. E mesmo você achando que eu era pobre, mesmo com tudo que eu dizia, nada mudava no que cê dizia sentir!

LALÁ: Porque eu nunca fui interesseira! E se eu te amava, mesmo tu morando numa casa de sapê, nada ia mudar. Eu já era completamente apaixonada por você! E me apaixonei somente pelo que você é. O resto não me importava. Somente o fato daquele homem incrível tá m fazendo bem e a certeza de que o que eu sentia por você era reciproco, já era o suficiente e me completa totalmente.

SONOPLASTIA: Um anjo veio me falar – Rouge. 

PIETRO: Oh, meu amor... Eu te amo, sabia?!

LALÁ: (Emocionada) Eu também te amo!

PIETRO: Já tá chorando?! É uma manteiga mesmo, viu?!

LALÁ: (Leve sorriso) Bobo! (T) Meu príncipe brucutu!

Lalá limpa as lágrimas. Pietro a abraça. Eles se beijam intensamente. CORTA PARA/

 

CENA 14. CASA DE LETÍCIA. COZINHA. INT. DIA. 

SONOPLASTIA OFF. Letícia à mesa, tomando café da manhã. Zander vem de dentro.

ZANDER: Bom dia, bom dia!

LETÍCIA; Bom dia, Zander!

ZANDER: (Sentando-se) E aí, o que temos pra hoje?

LETÍCIA: Ual. Que animação toda é essa, hein?

ZANDER: Não sei. Acordei animado, revigorado.

LETÍCIA: Muito bom mesmo. Até porque eu tenho uma novidade pra você e eu acho que cê vai amar! 

ZANDER: (Apreensivo) Fala de uma vez, Letícia!

LETÍCIA: Eu já decidi e vou te colocar na loja! A partir de agora nós iremos juntos pra filial!

ZANDER: (Brilho nos olhos) Cê tá falando sério?

LETÍCIA: Mas é claro! 

ZANDER: (Vibra) Eu nem sei como agradecer, Letícia. Obrigado mesmo!

LETÍCIA: Quê isso!

ZANDER: E quando eu posso começar?

LETÍCIA: Se você quiser, hoje mesmo!

ZANDER: Pode ter certeza que eu vou fazer o meu melhor. Cê não vai se arrepender!

LETÍCIA: Eu sei que não!

Em Letícia e Zander, sorrindo um para o outro. Clima harmônico. CORTA PARA/

 

CENA 15. CONSÚLTORIO DE MARIELA. SALA DE ATENDIMENTO. INT. DIA. 

Ulisses sentado. Mariela sentada à sua frente. 

ULISSES: Pior que a reação do Pietro, foi a da Lavínia. Ela ficou revoltada, muito nervosa. Disse que se sentia decepcionada, traída. 

MARIELA: Isso nós já esperávamos. Toda ação gera uma reação. Mas você fez certo em falar e tirar de uma vez o peso que tava nas suas costas. 

ULISSES: Eu tô me sentido aliviado, mas ao mesmo tempo triste, sabe?! Eu gosto muito da Lalá. Nunca que eu ia ser ingrato a ela por tudo que ela fez por fez, pela amizade sincera dela por mim. 

MARIELA: Eu sei! Só que pra Lalá ainda é difícil entender.

ULISSES: Tem tantas outras pessoas por aí. Porque eu fui me apaixonar justo pelo Pietro que eu sei que seria impossível? Só pra ferir a Lalá? Só pra machucar ela? Não, claro que não! 

MARIELA: Fica calmo, Ulisses!

ULISSES: (Respira fundo) O Pietro ficou surpreso, mas reagiu como eu esperava. Já a Lalá... Ela chegou a me dá um tapa na cara e me expulsou de lá. Naquela hora eu não a reconheci.

MARIELA: Numa hora dessas qualquer pessoa fica nervosa, Ulisses. Depois que ela esfriar a cabeça, eu tenho certeza que ela vai começar a pensar e vai assimilar tudo.

ULISSES: Sei não, Mariela. Tô no quarto de hotel, vendendo minhas trufas na faculdade, mas eu acho que essa cidade já deu! Tô pensando em largar a faculdade e voltar pra Toureiro. Quem sabe se eu começar a trabalhar com meu pai, me afastar daqui, eu não me sinta menos culpado?

MARIELA: Ulisses, presta atenção: Você não tem que se sentir culpado de nada! Você agiu certo e agora não tem nada a fazer. Só esperar! 

ULISSES: Pra gente esperar tem que ter esperança. Nem isso eu tenho mais! 

MARIELA: Quando se espera, tudo se encaixa! A esperança tá aí; na tua faculdade, na tua formação. Pensa quando você tiver formado, exercendo a profissão que cê escolheu, hein?! Te garanto que essa sensação não tem preço. Desista não!

ULISSES: Você sempre me encorajando...

MARIELA: Eu que talvez tenha que parar, que tenha que rever algumas ações e encarar as consequências. Mas você não! Você ainda tá nó no começo e não pode desistir agora por nada! Lá na frente cê vai ver que valeu a pena. Segue adiante, porque recuar atrasa a chegada. Então, sempre avante sempre!

Mariela segura às mãos de Ulisses, que sorri. Eles se abraçam fortemente. CORTA PARA/ 

 

CENA 16. CASA DE BARTOLO E DARCY. BANHEIRO. INT. DIA.

Bartolo se barbeando. Darcy dentro do Box tomando banho.

BARTOLO: Será que a Mariela vai continuar atendendo aqui na cidade?

DARCY: (OFF) Eu não sei. Mas eu não notei muito ânimo nela, não. 

BARTOLO: Depois da atitude antiética dela, se tudo chegasse à justiça, ela, como psicóloga, não atuava mais!

DARCY: (OFF) Era o mais certo! Mas eu também quero paz, sossego! Ela sabe que o fez foi errado. E se ela tem um tanto de caráter, a consciência dela vai se tocar!

BARTOLO: Também acho! A Mariela é uma boa pessoa. Ela conviveu por anos lá em casa, comigo, com a Emilis, atendia o Pietro quando adolescente... Enfim, eu acho que, apesar de não mudar nada, o gesto dela ter vindo te pedir desculpas foi muito nobre.

Darcy abre o box.

DARCY: Larga isso aí e vem logo pro banho, Bartolo! A água tá uma delícia! 

BARTOLO: Já tô terminando.

DARCY: Tá bom já! Não precisa tirar a barba toda, não! (Puxa Bartolo) Vem logo, vem!

BARTOLO: (Riso) Calma, sua doida!

DARCY: (Sensualiza) Vem me ajudar a passar sabão, vem! Tá uma dificuldade...

SONOPLASTIA: Você me Roubou – Rouge. 

Bartolo sorri. Ele beija Darcy, entra no Box e o fecha. CORTA PARA/

 

CENA 17. MANSÃO SANTANA. QUARTO DE HILDA. INT. DIA. 

SONOPLASTIA OFF. Hilda abre o armário, retira uma mala de dentro e a coloca sobre a cama. Ela abre e começa a colocar roupas dentro. Ouve-se batidas na porta.

HILDA: Quem é?

HORÁCIO: (OFF) Sou eu, filha!

HILDA: Entra aí, pai!

Horácio adentra o local.

HORÁCIO: Já tá fazendo a mala?

HILDA: Claro! Se eu vou viajar hoje, já era pra eu ter feito!

Horácio fecha a porta e aproxima-se de Hilda.

HORÁCIO: Eu ainda nem tô acreditando que a minha garotinha vai alçar voo. 

HILDA: (Leve sorriso) Oh, meu pai... 

HORÁCIO: Você passou a vida toda sempre aqui, tão perto, de baixo das minhas asas, sob a minha proteção...

HILDA: Eu também vou sentir muito a sua falta. Mas vai ser por pouco tempo. Ou o senhor acha que eu vou me fixar no Rio de Janeiro e não voltar mais pra cá?

HORÁCIO: Espero que não!

HILDA: Mas é claro, meu pai! Não conseguiria nunca ficar sempre longe do homem que me deu tanto amor.

HORÁCIO: Eu não sou isso tudo, não, minha filha.

HILDA: Mas é o MEU pai! Você me escolheu e se não fosse todo seu amor, toda dedicação, com certeza hoje em dia minha vida seria completamente diferente.

Hilda alisa o rosto do pai.

HILDA: Te amo!

Horácio abraça Hilda fortemente. 

HORÁCIO: (Na ação) Eu também te amo muito, minha filha!

O abraço termina. Hilda e Horácio sorriem um para o outro. CORTA PARA/ 

 

CENA 18. MANSÃO SANTANA. SALA. INT. DIA. 

Djavan sentado no sofá. Zetinha em pé. 

ZETINHA: Eu mesma vou ajudar a Hilda a fazer as malas.

DJAVAN: Cê acha que ela tá ansiosa?

ZETINHA: Eu não sei. A Hilda não é muito de expressar o que sente. Mas eu acho que ela tá muito ansiosa e curiosa também. Senão, não teria aceitado. 

DJAVAN: Quando ela chegar ao Rio, eu tenho certeza que a animação dela vai aumentar ainda mais. 

Horácio vem de dentro. Zetinnha sai.

HORÁCIO: Acabei de me despedi da Hilda.

DJAVAN: (Levantando-se) Ela já tá arrumando as malas?

HORÁCIO: Sim. Olha, cuide bem da minha filha, hein?! 

DJAVAN: (Riso) Pode deixar! Em breve você já vai tá vendo sua filha estampando capas de revistas, campanhas publicitárias e fazendo muito sucesso. Isso eu te garanto!

HORÁCIO: Assim espero!

DJAVAN: E muito obrigado também pela hospedagem, Horácio!

HORÁCIO: Magina!

DJAVAN: Obrigado mesmo! 

HORÁCIO: Bom, agora vou indo pra prefeitura! 

DJAVAN: Tua filha tem um brilho, Horácio. E esse brilho agora vai brilhar ainda mais e resplandecer pro Brasil inteiro!

Em Horácio, sorridente. CORTA PARA/ 

 

CENA 19. MANSÃO SANTANA. QUARTO DE HILDA. INT. DIA. 

Hilda arrumando as malas. Zetinha ao lado a ajudando. 

ZETINHA: Eu vou sentir muito a sua falta, minha menina.

HILDA: Eu também. 

Hilda para a ação e senta-se na cama. 

HILDA: Com quem eu vou conversar, me abrir, me apoiar?

ZETINHA: (Segura o choro) Oh... Duas pessoas que eu amo naquele bendito Rio de Janeiro. Além do meu Igor lá, agora você também. 

HILDA: Mas cê sabe que é por uma boa causa, né?

Zetinha senta-se ao lado de Hilda. 

ZETINHA: Claro! Eu não te dei força atoa. Cê merece!

HILDA: (Segurando-a pela mão) Se eu tiver alguma pista de onde possa tá o Igor lá, eu prometo que vou atrás dele, tá?

ZETINHA: Não precisa, Hilda! O Igor nunca me falou exatamente onde ele estava lá. Além de já ter recusado minhas ligações várias vezes. Não tem jeito! Acho que a única maneira de eu rever meu filho seria se ele voltasse pra cá.

HILDA: Eu vou tá sempre na torcida e minha ligação com você, Zetinha, pode ter certeza que nunca vai se romper! 

ZETINHA: Sim, minha menina! Sempre!

HILDA; Mas nada de tristeza, hein?

ZETINHA: Pode deixar!

HILDA: Acho bom!

Zetinha e Hilda se emocionam. Elas se abraçam fortemente. CORTA PARA/ 

 

CENA 20. PREFEITURA MUNICIPAL. SALA DE HORÁCIO. INT. DIA. 

Horácio à mesa. Bartolo sentado à frente.

HORÁCIO: O desgraçado do Kadu continua me importunando. 

BARTOLO: Ah meu Deus!

HORÁCIO: Eu já não sei mais o que fazer.

BARTOLO: Eu já te disse: Tira a arma da mão dele e pronto. Ele não vai ter mais com o que te ameaçar. E isso só pode acontecer se você se entregar.

HORÁCIO: Falar é fácil, Bartolo! Se essa minha história vaza, esse amor todo que toda população de Touro Bravo tem por mim, vai pro espaço! E aí, meu caro, minha vida acabou! 

BARTOLO: Eu sei, Horácio. Mas só é cê fazer um jeito que isso não se torne público. E também com o dinheiro e a influencia que você, qualquer que seja sua pena, meu amigo, pode ser reduzida drasticamente.

HORÁCIO: Não, não. E a minha filha? E a confiança que esse povo todo depositou em mim?!

BARTOLO: Isso vai ser uma etapa inevitável! Assim como eu também teria que depor se caso alguém saiba que eu sabia de tudo. Podem achar que eu fui seu cúmplice. 

HORÁCIO: Quando eu te contei, eu já tinha feito tudo. Mas enfim, eu não tô preparado pra isso! Eu frutei a todos que confiaram e mim. O meu erro não frustrou só a eles, mas a mim também, Bartolo. E eu pude perceber o quanto eu fui fraco. E continuo sendo, porque eu afirmo mesmo: Ainda não tenho coragem de assumir essa responsabilidade!

BARTOLO: Bom, é uma opção sua. Mas o Kadu tá te pedindo mais dinheiro, é isso?

HORÁCIO: Sim. Continua pedindo mais e mais dinheiro. Me mandou uma mensagem querendo que eu deposite um valor exorbitante na conta dele. Se continuar assim, eu tô perdido!

BARTOLO: Nossa!

HORÁCIO: Pois é, meu amigo. 

BARTOLO: Que situação! O Kadu cada vez me surpreende mais. Canalha! 

HORÁCIO: Bom, e eu te chamei aqui justamente porque eu quero que você faça uma viagem. 

BARTOLO: Que viagem? 

HORÁCIO: Uma viagem muito importante! E você, como meu melhor amigo e braço direito, é o mais gabaritado pra isso.

BARTOLO: Por acaso você tá querendo que eu vá atrás do Kadu? É isso?

Em Bartolo, visivelmente indiferente. CORTA PARA/

 

FIM DO CAPÍTULO!

 

Créditos sobem ao som de: Clima de Rodeio – Rionegro e Solimões.