16

NOVELAS

MEIAS VERDADES

1 TEMPORADA


Tiago Machado
AUTOR

01. PRIMEIRO CAPÍTULO

UM CASAMENTO DE MENTIRA

Dias atuais.

 O evento era o principal assunto nas rodas de conversas e as pessoas ainda questionavam o acontecimento. Dezenas de casos corriam o mundo, mas não acreditavam que ele cairia num golpe tão velho. Todos estavam reunidos não porque gostavam do noivo, mas estavam reunidos para lamber o chão que ele pisava e para serem vistos. Jorge Aahbran, um importante empresário grego estava se casando com a casta Rebecca Sousa. Jorge era à sombra do que fora antes, mas ainda conservava traços da beleza que outrora era um dos seus pontos fortes. Todos sabiam que a jovem estava se casando com o velho por conta do dinheiro dele, embora ninguém tivesse coragem de externar tais comentários. Políticos, celebridades e empresários estavam presentes na cerimonia. Impressionava o fato de tantas pessoas deverem suas vidas ao visionário do petróleo.  Jorge estava se casando pela segunda vez. Seu gosto para mulheres era incontestável. Todos mantinham viva a imagem de Tereza e de seu corpo escultural.

A cerimônia religiosa acontecera na capela e agora todos se dirigiam a mansão de Jorge, onde ocorreria a recepção, para poderem comer e beber do melhor que o dinheiro poderia proporcionar.

Rebecca estava deslumbrante no vestido de grife feito especialmente para ela. Quando Jorge colocou os olhos nela pela primeira vez soube que ela era uma mulher diferente e fez de tudo para conquistar a jovem. Rebecca não ligara para a diferença de idade e se entregara sem reservas à paixão que nascera. Logo os comentários começaram a surgir. Como uma jovem tão bela poderia se apaixonar por um homem que tinha idade para ser seu avô?

A fama de Jorge corria o mundo, ele era metódico e tudo tinha que ser do seu jeito. Na grande mansão os empregados já estavam apostos esperando a chegada dos convidados que não tardariam. Assim que o primeiro carro parou diante do portão a banda começou a tocar e bandejas com o melhor champanhe começaram a ser distribuídas. Todos deveriam saber que Jorge Aahbran tinha o que havia de mais caro para os seus convidados.

Rebecca estava distante, olhando pela janela a cidade e quando se deu conta Jorge estava levantando a saia do seu vestido de noiva. Ele buscava as partes íntimas da noiva, desejava desesperadamente possuí-la e não esperaria um segundo a mais. Desde que se conheceram Rebecca se mostrara casta e conservadora. Totalmente diferente das dezenas de mulheres que se jogavam aos seus pés. Tranquilamente Rebecca impediu que Jorge chegasse ao seu destino e falou mansamente:

— Se contenha querido! Eu estou tão ansiosa quanto você, mas ainda temos uma festa pela frente.

— Nós já somos casados Rebecca. Eu não aguento mais esperar. Tem sangue grego correndo nessas veias.

— Você quer chegar descomposto a nossa festa?

— Nós nem precisamos comparecer. Podemos fazer uma parada estratégica que nem notarão o nosso atraso. Todos vão sorrir e fingir que nos adoram.

Rebecca passa a mão delicadamente sobre a pele enrugada do rosto de Jorge e beija-lhe ternamente.

— Como você quiser. Eu sei que essas formalidades são importantes para você — Dando-se por vencido ele sentou ao lado dela e segurou sua mão.

Rute estava observando tudo da janela. O casamento de Jorge ainda não havia sido superado. Ela dedicara seu melhor a ele e pela segunda vez ela havia sido jogada de lado, preterida e humilhada. Rute sempre fora loucamente apaixonada por Jorge, mas este lhe negava o amor. Ela vislumbrou sua chance quando a antiga esposa fora jogada para fora de casa, mas Jorge se quer se aproximou dela. Viu todos os gêneros de mulheres chegarem e irem embora e esperou paciente até que ele reconhecesse que ela era o melhor para ele, mas tudo mudou quando Rebecca chegou. Rute pensou que ela seria apenas mais uma e pagara por seu equívoco e mais uma vez ela teria que ver o seu grande amor casar-se com outra. Rute sorriu quando as lembranças vieram a sua mente. Fizera da vida de Tereza um inferno e faria o mesmo com Rebecca. A ninfeta não fazia ideia no vespeiro em que se metera.  Fernanda abriu a porta e viu sua mãe na janela se aproximou e lhe abraçou por trás. Rute acariciou as mãos da filha.

— No que a senhora está pensando? — Perguntou Fernanda sentindo o perfume doce que exalava da mãe.

Rute se vira para olhar atentamente a filha e delicadamente arruma uma mexa de cabelo.

— Na festa. Eu quero que tudo saia perfeito. Você sabe bem como o Jorge é.

— Eu adorei o vestido da Rebecca. Ela estava linda.

— Encantadora, ela estava uma verdadeira princesa. — Não era uma mentira, afinal de contas Rute sabia reconhecer a beleza da adversária.

Rute chegara à vida de Jorge como secretária e aos poucos foi mostrando serviço e se tornou o braço direito dele, tudo passava pela aprovação dela. Jorge nunca lhe confiara um cargo mais elevado dentro de sua empresa porque acreditava que as mulheres não eram dotadas das mesmas capacidades que os homens. Rute não casara, mas teve um breve romance e desse relacionamento nasceu Fernanda.

Fernanda sempre fora esperta e aprendera vendo a vida da mãe. Ela não ficaria parada esperando as oportunidades chegarem, correria e faria valer a pena. Ela teria tudo o que sempre sonhara e não deixaria a vida lhe dar uma rasteira, ela seria dona da sua própria história. Fernanda se casara com Bryan um jovem educado e esforçado que tentava fazer carreira nas empresas de Jorge. Fernanda era apaixonada por Bryan, mas era o irmão dele que fazia o sangue dela ferver.

Quando os recém-casados chegaram todos já esperavam por eles e gritos de vivas e congratulações reverberaram pelo grande salão. Todos vieram abraçar e cumprimentar o casal. Chegou à vez de Rute felicitar a noiva, ela lhe abraçou e deu beijos calorosos na face de Rebecca.

— Que você seja muito feliz querida.

— Obrigada Rute.

— Em meio a tantos convidados eu me impressionei. Não tem um familiar ou amigo seu aqui?

— Eu não tinha ninguém para convidar, mas os amigos do Jorge são os meus agora e a família dele é a minha.

— Tadinha, mas você pode me considerar sua amiga ou até mesmo uma mãe se você quiser. Você e a Fernanda são quase da mesma idade.

Rebecca pacientemente e com o melhor sorriso estampado na face recebeu o comprimento de todos os convidados. Jorge exibia orgulhoso, sua bela esposa. Sempre que ficava sozinho com a mulher, Jorge a prendia contra a parede e fazia-lhe carícias mais ousadas. Na primeira oportunidade Rebecca foi até o banheiro e vomitou a pouca comida que estava em seu estômago. Os olhos refletidos no espelho eram vazios como a densa escuridão da noite. Ela enxaguou a boca e retocou o batom. Espirou fundo e voltou para o show de falsidade.



FIM DO CAPÍTULO

TODOS CAPÍTULOS