18

NOVELAS

ANTES DO FIM

SEM TEMPORADAS

COMPLETO


Com a vida arruinada, por uma desconhecida, Samantha é obrigada a voltar para casa como derrotada, mas o destino lhe confere a chance de dar o troco e sentir o doce sabor da vingança. Conheça a história de Samantha e Laura, duas mulheres diferentes que partilharão a mesma vida.

Tiago Machado
AUTOR

30. TRIGÉSIMO CAPÍTULO

Sandro estava de volta! A porta estava sendo destrancada pelo lado de fora. Samantha se aproximou e segurou a mão de Laura. Não importava o que acontecesse lá dentro. Uma delas sairia para fazer justiça à outra.  Elas trocaram um olhar naquele instante que disse mais que mil palavras, elas partilhavam de uma intimidade impar. As circunstancias proporcionou e criou o elo entre elas. Elas permaneceram de mãos dadas enquanto a porta se abria.

Primeiro ele colocou a cabeça para dentro do cômodo. Um largo sorriso se abriu na face oleosa.

— Vejo que vocês já estão intimas – Disse Sandro revelando toda sua perversidade.

Samantha havia colocado a blusa em si e em Laura. Ela estaria morta antes que Sandro colocasse as mãos imundas nela.

— Onde nós estávamos? Não importa podemos recomeçar. Eu sei que vocês estão adorando a brincadeira.

A porta se escancarou e elas puderam contemplar o corpo dele por completo. A raiva circulava pelo corpo de Samantha como uma onda elétrica. Ela sentia vontade de pular sobre ele e bater, arranhar, morder, fazer qualquer coisa que fizesse com que ele parasse. Ele deu dois passos para dentro do quarto e parou. Seus olhos exprimiam algo diferente e não era mais louca.

Ele permaneceu parado por alguns segundos e seu corpo caiu pesadamente para frente revelando Vera. Ela pegara uma faca e desferiu um golpe certeiro em suas costas. Ao vê-lo caído no chão ela não se conteve e começou a chorar. Samantha correu ao seu encontro e abraçou.

— Vera! Não se preocupe, eu não vou deixar para te acontecer... – Gritou Laura em meio às lágrimas.

— O golpe não vai mata-lo, mas ele precisa de cuidados médicos – Disse Vera por fim.

— Onde estão as minhas coisas? Nós precisamos chamar a polícia. – Perguntou Samantha.

Laura levantou da cama. Seu maior desejo era sair daquele quarto. Deixar lá as lembranças que tivera. Ela parou e olhou para o corpo que jazia sangrando no chão. Ele merecia sangrar até morrer. Porco imundo, mas ela o veria pagar por tudo que fizera.

Samantha ligara para a polícia e dera o endereço que Vera lhe fornecera. Ao longe ela já começava a escutar a sirene se aproximar. Laura e Vera estavam sentadas no sofá não acreditando que tudo, finalmente, acabara. Samantha se aproximou e  estendeu a mão para Laura. As duas não partilhavam mais ódio uma pela outra, partilhavam agora esperança de uma nova vida.

Vera observou os policiais chegarem, levarem Samantha e Laura, observou os paramédicos entrarem e tirarem Sandro. Logo o silêncio tomou conta de tudo e restaram apenas manchas de sangue e um quarto onde ele mantivera uma mulher queimada e fora cumplice de vários crimes. Sandro a coagira humilhara e obrigara a fazer coisas horríveis em nome do bem estar do filho, Quando na verdade a filha de outra pessoa estivera ali. Quando ela achara que nada mais fazia sentido a porta se abriu e Samantha se sentou ao seu lado.

— A Laura me pediu para vir te buscar.

— E eu vou para onde? – Perguntou confusa.

— Nós daremos um jeito.

Laura permaneceu no hospital por alguns dias, embora o seu quadro fosse grave e as queimaduras se estendesse por boa parte do corpo Vera fizera um excelente trabalho. Mizael e Isabel vinham visita-la todos os dias, mas deixaram para sua volta para casa a grande revelação de que seu filho ainda estava vivo.

Mizael não acreditou ao ver que a filha estava viva e ignorando seu estado físico apenas a abraçou e chorou.

Samantha permaneceu ao lado de Laura e quando soube que ela ficaria bem seguiu seu caminho como pensado antes de tudo acontecer. Mizael foi ao seu encontro, ele tinha uma última coisa a perguntar.

— Você tem certeza que deseja ir embora. Você poderia ficar e dar uma chance para nós.

— Eu tenho que te agradecer por tudo que você fez por mim, mas eu não posso ficar. Você é um homem fantástico e tenho certeza que encontrará alguém que te faça feliz.

Samantha se aproximou e beijou os lábios de Mizael ternamente.

— Então fique com o apartamento. Use o dinheiro para recomeçar em qualquer lugar. O que você fez pela Laura eu não tenho como retribuir.

Ao voltar para casa Laura abriu a porta que dava acesso ao interior da mansão e se deparou com um garotinho segurando um buque de flores. No começo Laura ficou confusa com relação ao garoto, mas logo as dúvidas se dissiparam e ela entendeu do que se tratava. Mizael olhou satisfeito e sorriu. Sua família estava completa.

A notícia se espalhara rapidamente e os principais meios de comunicação noticiavam a tragédia e o milagre que a filha do poderoso empresário sofrera. Sandro estava sentado em sua cama na cela onde atualmente passava seus dias quando viu a foto do rosto queimado de Laura na primeira página. Ela agora pagava de boazinha. Dava entrevistas em jornais e revistas e até pensava em escrever um livro sobre o que lhe acontecera. Sandro imaginava algumas coisas e sabia que o seu isolamento era deliberado e que Mizael fizera alguma coisa para que ele não tivesse acesso a pessoas que pudessem ajuda-lo.

Seus dias se resumiam entre as paredes da cela. Certo dia algo lhe pegou de surpresa.

— Você tem visita!

Sandro foi direcionado a uma sala. Os cabelos louros e brilhosos entregaram quem era. Laura Viera vê-lo. Seria esse um acordo formal de paz?

— Eu sabia que mais cedo ou mais tarde alguém apareceria – Disse ele em tom animado.

— Eu andei ocupada. Não conseguir vir antes. Vejo que esse tempo te fez bem. Você não é mais aquele porco gordo de antes – Desdenhou Laura.

— A comida aqui não é tão boa como lá fora... Mas a que devo a visita?

— Eu queria te ver, saber como você está. Se eles estão te tratando bem por aqui.

— Como você pode notar, não estão. Você sabe que o que aconteceu não era com você... Eu só aproveitei a oportunidade.

— Claro! E como eu sei que aqui não tratam você bem eu pedi autorização para te levar para dar um passeio.

— Não! Eu prefiro ficar aqui. Não vou com você a lugar algum. – Disse Sandro aterrorizado.

— Sinto muito, mas isso não é uma questão de escolha.

Laura levantou da cadeira e disse para quem estava do lado de fora:

– Nós estamos prontos. Antes que Sandro pudesse protestar dois homens entraram na sala e o imobilizaram.

Vera fora contratada por Mizael e agora trabalhava e morava na mansão. Ela se afeiçoara a todas na casa e adorava passar as horas com Gabriel. Ela vendera seu pequeno apartamento e comprara uma casa em uma cidade mais tranquila para o filho que conhecera uma moça e agora moravam juntos. Quando Vera queria descansar a cabeça ela corria para o interior. Finalmente ela sentia paz e quando o celular tocava, ela não tinha receio de atendê-lo. O medo ficara no passado.

Samantha olhou em volta e se sentiu em casa. Obras de arte se estendiam por todos os lugares. Ela aceitara o dinheiro do apartamento e investira em estudo e especializações. Escolher o lugar que recomeçaria não fora fácil, mas com sua capacitação e qualificada uma importante oportunidade bateu a porta. Ela viu seu nome figurar entre as possíveis escolhas para ser curadora do mais importante museu da Espanha. Agora ela andava pelos corredores do Museu do Prado orgulhosa.

Os primeiros meses foram difíceis e por mais de uma noite ela não conseguiu dormir. Passou as noites em claro sendo atormentada por lembranças que doíam no mais íntimo do seu ser. Logo as lembranças pararam de doer e ela voltou a dormir tranquilamente. Ela não sentia raiva, ódio ou saudade. Tudo se misturara e estava trancado em algum lugar dentro de seu cérebro que ela não fazia questão de saber onde era.

Ao voltar para seu apartamento ela serviu uma taça de vinho e deixou a garrafa sobre a mesa. O dia estava quente e ela abriu a porta da varanda para que o ar pudesse circular.  Pegou a taça e a garrafa e foi até a sacada observar a vista da cidade. Madri possuía o charme do velho mundo e em suas ruas os jovens gritavam por liberdade. Uma cidade moderna e ao mesmo tempo carregada de histórias.

O prédio onde Samantha morava não era um desses arranha céus. Era um prédio antigo de quatro andares onde da varanda de um apartamento se podia livremente pular para o do vizinho sem qualquer impedimento. Samantha apoiada na grade de ferro observava a cidade. Ela estava feliz.

— Hola!

Samantha se virou e viu seu vizinho na varanda do prédio ao lado. Ela já o percebera algumas vezes. Alto com cabelos pretos e barba serrada, olhos escuros e um sorriso perfeito. Ele percebendo que ela fora pega de surpresa tentou puxar assunto e deixa-la confortável.

Samantha sorriu e constatou dentro de si que estava pronta para as coisas que viriam. Desde que chegara a Espanha, ela ouviu muitas coisas sobre os espanhóis e uma delas era que eles eram bem servidos. Estava na hora de comprovar se o que diziam, de fato, era verdade.

— Lo siento No fue mi intención asustarte.

FIM



FIM DO CAPÍTULO

TODOS CAPÍTULOS