18

NOVELAS

ANTES DO FIM

SEM TEMPORADAS

COMPLETO


Com a vida arruinada, por uma desconhecida, Samantha é obrigada a voltar para casa como derrotada, mas o destino lhe confere a chance de dar o troco e sentir o doce sabor da vingança. Conheça a história de Samantha e Laura, duas mulheres diferentes que partilharão a mesma vida.

Tiago Machado
AUTOR

20. VIGÉSIMO CAPÍTULO

Tudo a sua volta tinha cheiro de morte e sofrimento. Então era assim que as pessoas menos favorecidas viviam. Laura sentiu nojo de estar deitada sobre aquela maca, mas logo ela receberia alta e sairia dali. Mais uma vez ela perdera seu filho, mais uma vez ele fora arrancado dela sem que ela pudesse fazer qualquer coisa.

Laura olha para Carmem e diz tranquilamente:

— E onde está o Geraldo?

— Ele foi embora. Ele ficou muito consternado com a sua reação. Você ficou fora de controle.

— Você pode dizer para ele que a minha raiva já passou. Eu quero ir embora.

— Você ainda não pode. Você precisa descansar.

— Eu vou pegar uma infecção se eu continuar aqui. Não sei de onde vocês tiraram essa ideia de me trazer para um hospital público.

— Você precisa descansar.

— Você vai tirar umas férias prolongadas na cadeia se tentar me impedir de sair daqui. Eu preciso me encontrar com o Geraldo. Eu achei que já tivéssemos resolvido tudo, mas ainda existem pendencias.

Laura não sabia o que fizeram com suas coisas, apenas levantou da cama e se dirigiu a saída. Carmem acompanhava tudo de longe. Essa Laura não era à sombra da lerda que ela fora outrora. Carmem lembrou com precisão de detalhes o dia em que viu Laura entrar pelo seu consultório sentindo as dores do parto.

Tudo estava já estava preparado para receber a parturiente. Veronica fora sagaz ao traçar o plano que colocaria um fim na traição do marido com aquela burguesinha petulante. O dinheiro que ela dera a Leona para forjar uma morte era muito alto e ela não poderia falhar. Geraldo amava Laura, mas não poderia se livrar de Veronica facilmente e em sua cabeça Laura aceitaria ficar com ele depois de tudo que estivesse resolvido, afinal de contas eles se amavam.

O lugar estava preparado. As contrações aumentavam a cada instante. Para se precaver Leona dispensou sua equipe e ficou apenas com uma enfermeira de confiança que receberia uma boa quantia também para manter se calada e concordar com tudo.

Laura olhou em volta e ficou preocupada. Onde estavam todos?

— Onde está o resto da equipe?

— Nós vamos fazer um parto querida, não é uma cirurgia de coração. Fique tranquila e tente se concentrar no seu bebê. Logo você estará com ele nos braços — Disse a enfermeira tranquilamente.

Geraldo estava aflito, ele não via a hora de ver tudo resolvido. Veronica foi tranquiliza-lo.

— Logo o bastardo nasce.

— Não estou preocupado com isso.

— A Leona é competente. Se você não falar nada, tudo transcorrerá tranquilamente. Ninguém precisa saber de nada. É o preço que você deve pagar pela sua traição.

Assim que a criança nasceu Leona o entregou a enfermeira. Laura pedia para ver o filho, mas eles se recusavam. Permaneciam calados, centrados naquilo que estavam fazendo e ignoravam, completamente, o pedido dela.

A enfermeira levou o recém-nascido e o colocou dentro de uma caixa onde eles transportavam roupas sujas. Tudo deveria ser feito com toda diligencia. A documentação, falsificada, estava pronta. Veronica forjaria a morte do filho de Laura e ficaria com ele. Forjando também uma adoção. Ela cuidaria do bastardo e manteria Geraldo o mais longe possível da criança e de Laura também.

Laura estava aflita. Ela ouvira o filho chorar e não o traziam para ela. Ela queria tocar o filho, ver a carinha dele e amamentá-lo. As horas que se seguiram foram de grande angústia. Ela saiu do centro cirúrgico e a levaram para um quarto onde o pai e a irmã mais nova estavam.

— Pai o que está acontecendo? Por que não me deixam ver meu filho?

— Calma minha querida. Logo eles te explicarão tudo.

— Eu quero meu filho!

E assim ela rompeu em lágrimas. Uma enfermeira entrou no quarto e lhe aplicou um sedativo. Laura viu as paredes brancas do hospital se tornar negras e ela adormeceu. Assim que Laura adormeceu Leona veio explicar o que havia acontecido com a criança.

— Nós ainda não sabemos o motivo da causa da morte do seu neto, mas suspeitamos que seja uma morte súbita. Para constatar tal morte nós precisamos que a mãe autorize uma necropsia.

Mizael recebeu a notícia com pesar. Mortes súbitas não eram comuns, mas aconteciam. Laura chorou compulsivamente quando soube que seu filho havia morrido.

Geraldo e Leona achavam que tudo estava acabado, mas eles não contavam com o que estava por vir. Veronica era sagaz e manteria seu segredo muito bem guardado. Usando de sua influencia e dinheiro ela subornou outro médico para fazer um relatório médico alegando que a morte do filho de Laura fora negligencia médica. Tal relatório acabaria com a carreira de Geraldo e de Leona e ainda os colocaria por um bom tempo atrás das grades. Leona ligou para Geraldo, consternada.

— O que a Veronica está fazendo, Geraldo? Eu acabei de receber a intimação.

— Não sei Leona. Eu vou falar com ela, mas você deve se manter tranquila.

Verônica estava tranquila.

— Negligencia médica Geraldo, essa foi à causa da morte do seu filho com a prostituta.

— Veronica você quer acabar com a minha vida? Você já tirou a Laura e meu filho de mim.

— Eu não fiz absolutamente nada. Vocês fizeram. Eu sugiro que você e a Leona fujam do país enquanto é tempo. Ela dispõe de dinheiro para começar uma nova vida por lá.

Geraldo ligou para Leona e relatou o teor da conversa que tivera com Verônica. Leona contatou um dos melhores falsificadores e esse lhe providenciou documentos novos. Agora ela se chamava Carmem e estava de malas prontas para Paris.

Quando recebeu o novo relatório sobre a morte do neto Mizael virou um leão e movimentou todos ao seu redor, ele queria a cabeça de Geraldo e Leona numa bandeja de prata, mas eles já estavam longe para pagarem por seu crime.

Laura ainda estava com as roupas do hospital e Carmem a seguia como um cão fiel.

— Você não pode deixar o hospital assim, eu vou providenciar roupas para você. È melhor você esperar-me no banheiro. Nesse corredor você vai chamar muito a atenção

— Eu achei que você nunca fosse me ajudar.

Leona comprou roupas para Laura e essa pegou um táxi. Carmem pegou outro com destino ao hotel onde ela e Geraldo, estavam hospedados.

Laura entrou em casa e deu de cara com Mizael e Samantha. Ela olhou para a cara dos dois e teve que disfarçar ao máximo.

— Você está bem minha filha?

— Estou sim pai. Só um pouco indisposta. Deve ser coisa da gravidez. Eu vou para o meu quarto e não precisa mandar ninguém me chamar, eu quero descansar.

Samantha muito preocupada disse: — Você precisa se alimentar Laura, nós não queremos que nada aconteça com seu bebê. Ele tem que crescer saudável. Agora você carrega uma pequena vida dentro de você.

— Eu sei que não Samantha. Eu estarei ótima para nosso fim de semana na cabana. Eu só preciso dormir um pouco.

— Estou contando as horas Laura.

Geraldo estava no lugar marcado. Quem marcara o compromisso estava atrasado e ele detestava esperar. Um carro se aproximou e ele esperou até que a pessoa descesse e fosse ao seu encontro. Eu fiquei muito assustado. Tantas coisas acontecendo. Eu preciso da sua ajuda.

— Você demorou muito, mas eu fico feliz em te ver. Eu achei que esse momento nunca mais fosse acontecer.

Geraldo arregalou os olhos e antes que ele pudesse emitir qualquer som à bala o acertou. Ele tentou fugir, mas outro tiro o acerto e outro e outro. Um após o outro. O sangue se esvaia do seu corpo como uma fonte de água. Então era assim que era morrer. Logo ele foi invadido por uma paz e tudo estava acabado.

Carmem discou o número mais uma vez e novamente caíra na caixa de mensagens. Que hora, maravilhosa, Geraldo escolhera para deixar o celular desligado. Ela andava de um lado para o outro pensando e com o telefone no ouvido repetindo sempre a mesma mensagem. Ela detestava a pobreza, detestava ter que submeter ao imprevisto e as coisas descabidas a que Geraldo se sujeitava para ficar perto de Laura. Em parte Carmem acreditava que não Geraldo queria desafiar Veronica queria confrontá-la e provar que a ex-mulher não detinha influencia sobre ele, mas por outro lado as atitudes do amigo só provavam que ele era tão inocente quando o filho pequeno. Ele não media os atos, não calculava o perigo que suas ações os expunham.  Carmem devia muito ao velho amigo, mas se arrependera amargamente do dia em que contara ao amigo que havia visto seu amor do passado.



FIM DO CAPÍTULO

TODOS CAPÍTULOS