18

NOVELAS

ANTES DO FIM

SEM TEMPORADAS

COMPLETO


Com a vida arruinada, por uma desconhecida, Samantha é obrigada a voltar para casa como derrotada, mas o destino lhe confere a chance de dar o troco e sentir o doce sabor da vingança. Conheça a história de Samantha e Laura, duas mulheres diferentes que partilharão a mesma vida.

Tiago Machado
AUTOR

07. SÉTIMO CAPÍTULO

Brasil.

Moara girou a maçaneta e se assustou com a mulher deitada no chão do banheiro. Isabel estava em posição fetal. Moara se aproximou e tocou o corpo com cuidado. Isabel ainda respirava, ela trajava apenas uma camisa que Moara reconheceu ser do Edu.

— O que você está fazendo deitado no chão do banheiro?

Isabel levanta e passa as mãos pelos cabelos e limpa o canto dos lábios.

— Eu fiquei presa! Essa maldita porta emperrou.

— E por que você não gritou pedindo ajuda? – Moara se continha para não cair na gargalhada.

— Eu tentei, mas parece que nessa casa todos tem o sono da morte.

Ao sair do banheiro Isabel dá de cara com Edu.

— Bel? Eu achei que você tivesse ido embora.

— Eu queria mesmo ter ido Eduardo, mas eu dormi no chão do seu banheiro. Eu fiquei trancada! Presa! E sabe da melhor? Você nem se importou.

— Eu achei que você tivesse ido embora. Como eu vou adivinhar que você ficou trancada?

— As minhas coisas estavam no seu quarto. Como eu vou embora e vou deixar tudo aí? Mas quer saber? Eu já vou embora.

Isabel claudicou até o quarto para juntar suas coisas e bate a porta com força ao sair do apartamento. Moara olha pra Edu como se esperasse alguma reação dele, mas ele ficou parado, foi até a geladeira e pegou suco para beber.

— Você quer Moara? – estendendo um copo com suco.

— Você vai deixar a Isabel ir embora assim? Ela passou a noite trancada no banheiro.

— Eu já falei pra você arrumar a porta.

— Eu arrumar a porta? Eduardo você é o homem dessa casa. Sacanagem Edu, você poderia ter pedido para ela ficar.

— Ela volta Moara, você sabe que ela acaba voltando.

Alemanha.

Laura tirou a calça manchada de vinho e depois o resto da roupa. O chuveiro esguichava água e Laura colocou a perna e esfregou o lugar com a mão. Bernardo lhe entregara uma toalha limpa e após o rápido banho ela se enrolou e foi até a sala.

Ao ver Laura de toalha no meio da sala Bernardo ficou desconsertado e sentiu o rubor em suas bochechas. Em uma das mãos Laura segurava sua calcinha e na outra mantinha a toalha presa ao corpo.

— Como eu fui descuidada. Acredita que até minha calcinha sujou de vinho?

Bernardo balbuciou algumas palavras, mas para evitar o contato direto com Laura ele se levantou e foi até o quarto.

— Eu vou ver o que posso arrumar para você vestir.

Laura o seguiu até o quarto. A presença dela era como lareira em pleno funcionamento, a metros de distancia ele podia sentir o calor que emanava do corpo dela. Era um convite tentador. Bernardo pegou aleatoriamente uma peça de roupa e entregou para Laura que sorriu gentilmente quando ele lhe entregou.

Com a mão livre Laura desprendeu a toalha que caiu fazendo um barulho abafado no chão. Eles estavam próximos e Bernardo podia sentir o perfume dela. Laura continuava olhando para ele, Bernardo fez menção de sair mais Laura o deteve.

— Laura isso não é certo. Vista sua roupa!

— Eu não tenho pensado em outra coisa Bernardo.

Laura se aconchegou nos braços dele e Bernardo pode sentir os seios dela se comprimirem contra seu tórax. Ele sentiu seu corpo o trair e o desejo começar a domina-lo a sufoca-lo. Ele precisava sair dali enquanto, ainda, estava no controle, enquanto seu corpo respondia aos seus comandos. Laura o apertou um pouco e roçou a cabeça no peito dele. Era tarde demais.

Laura o beijava com voracidade e logo eles estavam entregues. Laura esperava por aquele momento, ansiava por ser de Bernardo, estar nos braços dele e senti-lo junto dela.

Bernardo estava entregue ao desejo. Para ele era apenas sexo. Era só um capricho, não significava absolutamente nada.

Após o ato Laura se achegou aos braços dele, ela queria ficar abraçada a ele e aproveitar aquele momento, mas ele se livrou dos braços dela e indicou a saída.

— Laura você precisa ir agora.

— Agora?

— É, antes que a Samantha volte.

Laura não protestou ou manifestou seu desejo em ficar com ele. Ela sabia que o primeiro passo fora dado e se ela tivesse paciência tudo aconteceria e Bernardo seria dela. Bernardo saiu do quarto e foi tentar camuflar os indícios que outra mulher estivera no apartamento. Laura foi até o guarda roupas e abriu as gavetas até encontrar a gaveta de calcinhas de Samantha e com cuidado implantou a sua ali, junto com as outras.

Durante o trajeto do apartamento de Bernardo até o térreo, Laura ficou repassando todas as emoções que acabara de viver e como ela queria ter Bernardo só para ela. Ele era exatamente o homem com o qual ela sempre sonhara. O botão indicando o andar acendeu e uma voz feminina falou em alemão que o andar desejado havia chegado.

Laura levantou o olhar e lá estava ela. Samantha deu um passo para entrar no elevador, mas parou abruptamente ao ver Laura na sua frente usando as suas roupas.

— Samantha! Que encontro inesperado.

Os olhos de Samantha flamejaram ao ver suas roupas no corpo de Laura.

— Onde você estava? E por que você está com essas roupas?

Outros moradores começaram a entrar e querer usar o elevador. Samantha puxou o braço de Laura e tirou ela do elevador e a conduziu para um canto.

— Onde você conseguiu essas roupas?

— Eu fui almoçar com o Bernardo e acabei derramando vinho na minha calça. Ele gentilmente me deixou vir tomar banho e me emprestou uma roupa sua.

Samantha respirou fundo e conteve a raiva que a dominara por alguns instantes.

— Eu tenho que ir embora Samantha. Eu vou mandar a roupa pra lavanderia e te entrego limpinhas.

— Não precisa Laura. Você pode tacar fogo em todas elas.

Samantha foi em direção ao elevador e apertou o botão que indicava seu andar. Tanto ela quanto Laura sabiam que algo começara. Samantha entrou no elevador e assim que a porta fechou as lágrimas vieram e ela chorou compulsivamente. Suas lágrimas eram de dor. Ela não era boba, sabia que Bernardo por mais que a amasse ele não resistiria e transaria com Laura. As provas estavam ali, todas na cara dela.

Ao entrar no apartamento Samantha encontrou Bernardo na cozinha preparando o jantar. Samantha sentia seu coração comprimir dentro do peito. Bernardo lançou um sorriso e deu as boas vindas.

— Oi querida! Vem cá me dar um beijo.

Samantha o beijou e foi para o quarto trocar de roupa para tomar banho. Ao abrir a gaveta de calcinhas, lá estava. Uma calcinha que ela nunca vira, mas sabia de quem era.



FIM DO CAPÍTULO

TODOS CAPÍTULOS